Pra Você Auto | Culinária | Saúde | Sua Casa

Cerveja diminui em 31% os riscos de doença no coração

Cerveja diminui em 31% os riscos de doença no coração

Boa notícia tem que ser repassada, e essa é excelente. Mesmo assim, vale ressaltar que o exagero acaba agravando as coisas e vamos lembrar que o ideal continua sendo beber menos e melhor.
 
A novidade para quem curte uma cervejinha é que: Uma pesquisa da Fondazione di Ricerca e Cura, na Itália, aponta que beber cerveja com moderação diminui os riscos de problemas cardíacos em 31%. Estudos anteriores já haviam mostrado que o vinho tinha as mesmas propriedades.
 
Os pesquisadores reuniram diversos estudos feitos no último ano sobre o assunto. Ao todo, os dados observaram o comportamento de 200 mil pessoas que bebem e os efeitos em seus corações.
 
Exagerar na gelada, entretanto, tem efeito contrário. “Quando o consumo aumenta, você vê que as vantagens desaparecem, até que o risco fica maior”, explica uma das cientistas, Simona Costanzo.
Nhoque da Fortuna

Nhoque da Fortuna

 

Cozinhe as batatas em água até que estejam macias. Escorra, descasque-as e passe pelo espremedor ainda quentes. Vá acrescentando a farinha aos poucos e o sal. Amasse bem.
Coloque a massa sobre uma mesa enfarinhada e faça rolinhos.
Corte cada rolinho em pedaços de mais ou menos 2cm.
Leve ao fogo em uma panela com bastante água temperada com sal,quando a água levantar fervura vá colocando os nhoques na água até eles começarem a subir.
Coloque água fria em uma bacia e coloque o escorredor dentro da mesma, retire os nhoques já cozidos e coloque-os no escorredor para dar choque térmico.
Repita o processo até toda massa estar cozida.
Escorra bem e coloque o nhoque em um refratário, reserve.
 
Molho: Pique a cebola bem miudinha em uma panela coloque o azeite e frite a cebola,acrescente a carne e os tabletes de caldo de carne.
Mexa bem, quando a carne já estiver cozida acrescente o molho e deixe cozinhar por mais 4min.
Despeje-o sobre o nhoque salpique queijo encima e leve ao forno para gratinar.
Sirva quente e bom apetite!
Atividade física em excesso causa acúmulo de radicais livres

Atividade física em excesso causa acúmulo de radicais livres

Radicais livres: mais uma salada de letras que assombra aqueles que se preocupam com a boa saúde e tem na atividade física regular um meio de obtê-la. 
 
Radicais livres são frações de moléculas, fragmentos, que resultam de todo o processo da produção de energia pelo tecido muscular. Eles são extremamente instáveis e sua ativação causa lesão do tecido muscular. 
 
Embora o metabolismo exigido na produção de energia para atividade física termine na formação desses radicais, além de outras moléculas, somente o excesso de exercícios, atividade física intensa e prolongada, faz com que o seu acúmulo seja prejudicial à saúde. Excluindo carências nutricionais e doenças, basta que a atividade física seja de intensidade moderada em seu volume semanal para prevenir o problema. 
 
A atividade física intensa consiste em um consumo máximo de oxigênio e é algo extenuante. Envolve realizar um treino por um período maior do que aquele com o qual estava habituada. Outras características são fazer um treino mais extenuante do que o normal e realiza-lo mais de três vezes por semana. 
 
No entanto, se por qualquer razão você for obrigado a se submeter a um treinamento intenso, esteja preparado para os efeitos nocivos como consequências do acúmulo desses radicais que vão desde dor devido ao processo inflamatório que se estabelece até grandes destruições de tecido muscular. 
 
Entre os fatores que desencadeiam a lesão muscular pelo efeito nocivo dos radicais livres, o estresse mecânico vinculado ao excesso, é um dos mais relevantes, principalmente se resultado de exercícios musculares excêntricos. Tratam-se daqueles que vão além da capacidade do músculo de produzir energia e assim ele realiza um movimento contrário a sua ação. Um exemplo disso é o cotovelo que se abre para fora quando a pessoa carrega muito peso. 
 
Como consequência, há fadiga e perda de força que é maior do que a produzida pelos trabalhos concêntricos, movimento a favor da contração do músculo, embora estes em excesso possam trazer efeito semelhante. 
 
É fácil perceber que a persistência da alta intensidade dos exercícios de maneira continuada e prolongada leva a danos ao tecido muscular. Estes danos podem ser permanentes e se agravam com a perda natural da força e resistência ocorrida com o passar dos anos. 
 
Outro ponto principal a ser esclarecido é a ação do oxigênio, ou da falta dele. A atividade física intensa e prolongada impede o adequado aporte de oxigênio, mais uma causa de estresse na produção de energia pelo músculo. Este fenômeno leva a uma menor produção de antioxidantes como as vitaminas A, E, C e de elementos como o zinco e magnésio, essenciais no bloqueio da indesejada ação dos radicais livres. 
 
Como prevenir o problema
 
Ficou com má impressão lendo este artigo? Então vamos desfazê-la: pratique atividade física moderada e regular que seus radicais livres serão naturalmente combatidos pela produção adequada de antioxidantes e você continuará usufruindo tudo o que de bom o exercício traz para o nosso organismo. Além disso, mantenha uma dieta balanceada com grande variedade de alimentos.  
Confira todas as dicas...

Próximos eventos e festas

Voltar ao Topo